La Casita Schonthal

Se todas as portas se fecham eu lhes abrirei uma

Aproximar-nos a mulheres vulneráveis em situação de prostituição. Desde a realidade concreta na qual estão inseridas: a Parada.

Com uma atitude de abertura e escuta ativa, adotamos critérios de atuação baseados na flexibilidade; respeitamos os ritmos de cada pessoa, sendo elas protagonistas de seus processos e tomada de decisões.

Somos um grupo voluntário integrado por docentes do Colégio Schonthal, Irmãs Oblatas e de outras congregações.

Visitamos e encontramos às mulheres em seus espaços. Conversamos com elas, compartilhamos um café. Escutamos suas necessidades e buscamos soluções. Celebramos juntas o dia da mulher, os aniversários e Natal em nosso espaço La Casita.

Acreditamos em Jesus, Deus Misericordioso e amoroso. Somos mantidas pelos Fundadores Madre Antonia e Padre Serra. Acreditamos que um mundo onde a igualdade de gênero pode ser possível e lutamos para isso, para que as mulheres possam recuperar sua autonomia, autoestima e dignidade e possa sarar todas suas feridas.

Linha Do Tempo

Formação em Trabalho de Campo

2011 – Voluntariado Formação em Trabalho de Campo (PAR), saída à rua para encontro com as Mulheres.

Formação como Comunidade Educativa

2000 – Docentes e alunos foram formando-se no carisma Oblata e participando nos projetos de Missão  Oblatas: Bairro “San Alberto” e  “Puerta Abierta” (Buenos Aires). Por meio de campanhas solidárias foi construída a aproximação do Centro “Madre Antonia” (Rosário).

Fundação

1996 –  Iniciamos um caminho de formação conjunta leigas/os e Irmãs.

Dados do projeto

Sair ao encontro com as mulheres desde a espiritualidade Oblata gestando espaços de escuta e aproximação humano promovendo-as de uma forma integral e inserindo-as nos espaços que o contexto oferece.

Investigação e propostas de projetos para políticas públicas.

Fortalecer a autoestima, autoconfiança e seu próprio protagonismo.

Estimular o exercício da cidadania

Promover a saúde, educação e trabalho

Sensibilizar e conscientizar sobre a prostituição e o tráfico de pessoas para a exploração sexual.

População

A maioria são mulheres dominicanas. Há uma população menor de argentinas que chegaram desde províncias limítrofes do nordeste. Poucas de Buenos Aires.

Dentro das argentinas, a maior parte não teve acesso ou não terminaram o segundo grau. Algumas também não concluíram o primeiro grau e há várias analfabetas.

Trabalho de campo

Nossa tarefa está baseada quase exclusivamente no trabalho de campo semanal.

Visitamos às mulheres nas paradas. É um bairro de prostíbulos nas proximidades da Avenida Avellaneda e Nazca bairro de Flores de CABA. Temos também entrevistas pessoais no espaço La Casita

Colaboramos na promoção da saúde e educação. As ajudamos a realizar CV, informamos sobre capacitações e ajudamos a seu discernimento e encontrar saídas para o emprego.

Tarefas de sensibilização

Em geral são realizadas desde o colégio Schonthal. Para isto La Casita realiza uma articulação com os alunos, famílias e docentes.

São preparadas jornadas de reflexão e capacitação docente uma vez por ano. Articula-se a temática da prostituição e tráfico nos programas de estudo. São realizadas exposições dos alunos em outras instituições educativas. Campanhas de conscientização.

⎫ Programas Mães Madrinhas: as famílias que o desejam se inscrevem para colaborar quando surgem necessidades concretas: encontro de mulheres, celebrações, festas de fim de ano e amadrinha a uma ou mais mulheres

Outras características próprias

Promovemos a participação de outras congregações religiosas, assim como também o trabalho em redes.

Os alunos são preparados ao longo da escolaridade e conforme sua idade para a temática do carisma.

No quarto e quinto ano realizam palestras de conscientização e sensibilização em pares para outras escolas

Participamos do encontro internacional de mulheres.

Encontros regionais e gerais de formação L/R

Participamos e promovemos junto ao departamento de catequese nas seguintes datas com a comunidade educativa: primeiro de junho, 23 de setembro e o 25 de novembro.

Trabalho em rede e alianças estratégicas:

Articulamos com:

Projeto Puerta Abierta

Hospital Álvarez

Centro de Educação Profissional nº 24 CABA

Polícia Federal para palestras a forças de segurança.

DEPOIMENTOS

Como se voluntariar?

Se você deseja somar forças na luta contra o preconceito e o estigma que oprime as mulheres que exerce a prostituição, entre m contato conosco e saiba como fazer parte dessa missão!

Contato

Endereço completo:
Av. Nazca, 555 – Ciudad Autónoma de Buenos Aires (CABA)

E-mail: tclacasita@gmail.com